blog da Jac


A águia e a galinha

13/11/2011 22:42

A FÁBULA DA ÁGUIA E DA GALINHA


Esta é uma história que vem de um pequeno país da África Ocidental, Gana, narrada por um educador popular, James Aggrey, nos inícios deste século, quando se davam os embates pela descolonização. 

"Era uma vez um camponês que foi à floresta vizinha apanhar um pássaro, a fim de mantê-lo cativo em casa. Conseguiu pegar um filhote de águia.

Colocou-o no galinheiro junto às galinhas. Cresceu como uma galinha.

Depois de cinco anos, esse homem recebeu em sua casa a visita de um naturalista.

Enquanto passeavam pelo jardim, disse o naturalista:

- Esse pássaro aí não é uma galinha. É uma águia.

- De fato, disse o homem.- É uma águia. Mas eu a criei como galinha. Ela não é mais águia. É uma galinha como as outras.

- Não, retrucou o naturalista.- Ela é e será sempre uma águia. Este coração a fará um dia voar às alturas.

- Não, insistiu o camponês. Ela virou galinha e jamais voará como águia.

Então decidiram fazer uma prova. O naturalista tomou a águia, ergueu-a bem alto e, desafiando-a, disse:

- Já que você de fato é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, então abra suas asas e voe!

A águia ficou sentada sobre o braço estendido do naturalista. Olhava distraidamente ao redor. Viu as galinhas lá embaixo, ciscando grãos. E pulou para junto delas.

 O camponês comentou:

- Eu lhe disse, ela virou uma simples galinha!

- Não, tornou a insistir o naturalista. - Ela é uma águia. E uma águia sempre será uma águia. Vamos experimentar novamente amanhã.

No dia seguinte, o naturalista subiu com a águia no teto da casa.

Sussurrou-lhe:

 

- Águia, já que você é uma águia, abra suas asas e voe!

Mas, quando a águia viu lá embaixo as galinhas ciscando o chão, pulou e foi parar junto delas.

O camponês sorriu e voltou a carga:

- Eu havia lhe dito, ela virou galinha!

- Não, respondeu firmemente o naturalista. - Ela é águia e possui sempre um coração de águia. Vamos experimentar ainda uma última vez.Amanhã a farei voar.

No dia seguinte, o naturalista e o camponês levantaram bem cedo. Pegaram a  águia, levaram-na para o alto de uma montanha. O sol estava nascendo e 
dourava os picos das montanhas.

O naturalista ergueu a águia para o alto e ordenou-lhe:

- Águia, já que você é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, abra suas asas e voe!

A águia olhou ao redor. Tremia, como se experimentasse nova vida. Mas não voou. Então, o naturalista segurou-a firmemente, bem na direção do sol, de sorte que seus olhos pudessem se encher de claridade e ganhar as dimensões do vasto horizonte.

Foi quando ela abriu suas potentes asas.

Ergueu-se, soberana, sobre si mesma. E começou a voar, a voar para o alto e voar cada vez mais para o alto.

Voou. E nunca mais retornou."

 

Existem pessoas que nos fazem pensar como galinhas. E ainda até pensamos
que somos efetivamente galinhas. Porém é preciso ser águia. Abrir as asas e voar. Voar como as águias. E jamais se contentar com os grãos que jogam aos pés para ciscar.”  

Extraído de artigo publicado pela Folha de São Paulo, por Leonardo Boff, teólogo, escritor e professor de ética da UERJ.

 

Um dia, eu acreditei. Assim como a águia, acreditei que eu fosse menos do que sou... e por medo de sentir medo, durante 12 anos parei de voar...

Como um ser resiliente que sou, busquei ajuda, estudei o tema,precisei buscar na medicina antroposófica e homeopática o equilíbrio para o meu ser holístico, buscando sempre a homeostase do corpo, mente e espírito. Na terapia encontrei o   amadurecimento, a compreenção e a aceitação de que sou um ser em busca do crescimento, que erro tentando acertar, que depois da queda posso me levanta e que posso controlar o meu medo, na teologia aprendi a perdoar os outros e a mim mesma. Nos amigos e na família recebi o apoio, a força e o carinho para superar as minhas limitações. O meu amor esteve comigo durante toda esta minha batalha interior, impulsionando-me a ir mais alto e para frente. O meu filho, deu-me a motivação maior... Pois para ele só posso deixar o exemplo de coragem, humildade e o de sempre acreditar que temos uma águia dentro de nós e só precisamos acordá-la e deixá-la voar... Subi no avião com todos vocês e fiz a viagem mais bonita de minha vida, pois fui bem dentro do meu ser e vi que sou águia e não posso mais parar de voar. Obrigada à todos que foram para mim o naturalista da fábula, que eu possa despertar em você a águia que adormece em seu interior.

Superando um dos meu maiores medos...Voar, Novembro/2011

O meu amor esteve comigo...Dizendo-me sempre, você pode ir mais alto.

para finalizar, trago um pouco de Oswaldo Montenegro.

 

Agradecimentos especiais:

Nazilda Coelho: psicóloga

Patrícia Guarino: anestesiologista,homeopata e médica antroposófica

By Jacqueline

 

 

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!