blog da Jac


Convivendo com o mal de Alzheimer

28/01/2013 00:36

Olha, gente, ter um familiar com mal de Alzheimer,  não é nada fácil e conviver de perto com o portador deste mal, aceitar que aquela mente brilhante que você conviveu já não está mais ali é de cortar o coração.

Minha mãe tem 89 anos é portadora deste mal, deixo aqui um pouco da pesquisa que fiz de maneira simples, pois o assunto ainda é muito complexo. É muito difícil ser uma cuidadora, exige paciencia, amor,dedicação, carinho e muito mais...

 

O que é o mal de Alzheimer?

O Alzheimer é uma doença neuro-degenerativa que provoca o declínio das funções intelectuais, reduzindo as capacidades de trabalho e relação social e interferindo no comportamento e na personalidade. De início, o paciente começa a perder sua memória mais recente. Pode até lembrar com precisão acontecimentos de anos atrás, mas esquecer que acabou de realizar uma refeição. Com a evolução do quadro, o alzheimer causa grande impacto no cotidiano da pessoa e afeta a capacidade de aprendizado, atenção, orientação, compreensão e linguagem. A pessoa fica cada vez mais dependente da ajuda dos outros, até mesmo para rotinas básicas, como a higiene pessoal e a alimentação.

http://www.minhavida.com.br/saude/temas/alzheimer

causas:

“Até agora se acredita que isso seja multifatorial, causado por componente genético, fatores externos (baixa escolaridade, por exemplo), alterações vasculares (hipertensão, diabetes etc.), traumatismos cranianos com perda de consciência, alterações nutricionais e depressão”, enumera. Outros problemas podem causar demências, por exemplo, deficit de vitaminas, doenças da tireoide, alterações renais, portanto doenças que podem ser evitadas.

http://www.brasil.gov.br/sobre/saude/saude-do-idoso/mal-de-alzheimer

sintomas:

No começo são os pequenos esquecimentos, normalmente aceito pelos familiares como parte normal do envelhecimento, mas que vão agravando-se gradualmente. Os idosos tornam-se confusos, e por vezes, ficam agressivos, passam a apresentar distúrbios de comportamento e terminam por não reconhecer os próprios familiares.

À medida que a doença evolui, tornam-se cada vez mais dependentes dos familiares e cuidadores, quando precisam de ajuda para se locomover, têm dificuldades para se comunicarem, e passam a necessitar de supervisão integral para suas atividades comuns de vida diária (AVD), até mesmo as mais elementares, tais como alimentação, higiene, vestir-se...

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/mal-de-alzheimer/index.php

 

Tratamento:

1-    Tratamento dos distúrbios de comportamento: para controlar a confusão, a agressividade e a depressão, muito comuns nos idosos com demência. Algumas vezes, só com remédio do tipo calmante e neurolépticos (haldol, neozine, neuleptil, risperidona, melleril,entre outros) pode ser difícil controlar.

2-    A orientação para uma família que está se defrontando com

3-    a situação de ter um idoso com demência, resumem-se nestas dicas:

1- A tarefa de cuidador principal pode ser só de uma pessoa, mas todos

os familiares devem se esforçar para ajudar e amenizar a carga e o stress deste cuidador.

2- Todos os familiares devem tomar conhecimento da doença que estão lidando. Informação nunca é demais!

3- A família, em conjunto, deve planejar o cuidado do idoso, com tarefas, horários e contribuições, inclusive, financeira. A doença de Alzheimer é uma doença de alto custo, com gastos elevados com remédios, fraldas descartáveis, plano de saúde, cuidadores profissionais para ajudar no banho, no curativo, dar medicações, para dormir...

4- O auxílio dos grupos de autoajuda, no caso, a Associação Brasileira

de Alzheimer, sempre é muito valioso. São organizações que se preocupam exclusivamente com este tipo de doença, e fornecem uma

série de subsídios para o cuidado efetivo. Suas reuniões são bastante

educativas, e mostram-nos que não estamos lutando sozinhos. Solidariedade aliada à informação, na família e na comunidade! Este é o principal caminho para enfrentarmos, com relativo sucesso, tão difícil empreitada.

http://www.cuidardeidosos.com.br/wp-content/uploads/2008/04/manual-do-cuidador-alzheimer.pdf

 

Quando fica zangada, angustiada só mesmo fazendo ela catar piolhos, cantar músicas infantis, de igreja ou rezar o terço para acalmá-la. É preciso respeitar o seus gostos musicais, sua religião e suas histórias.

o segredo está na união familiar em prol de um tratamento humano, baseado no respeito e amor por quem cuidou de você na sua infância.

26/01/2014

Texto: By Jacqueline

Fotos: By Jacqueline

Artigos: retirados dos respectivos sites que foram citados acima.

—————

Voltar



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!